Não é por acaso que sempre fui apelidada de bruxa, olhar místico, etc.
Hoje, enquanto arrumava mais uns livros no meu quarto encontrei um texto que escrevi à quase 3 anos (8-9-2004), não sei bem o que se passava nessa altura mas hoje quando o li apercebi-me que é exactamente o que estou a sentir neste momento...

"Cavalo alado que planas nas águas de fogo de Anwn... quem dera a mim ter a tua paz, a tua leveza...quem dera a mim ter a tua calma, a tua certeza...
Gwydion brilha lá bem alto, longe... tão longe!
O crescente do meu terceiro olhar palpita, mostra-me que está na hora, é tempo de aceitar o inevitável, aquilo que sempre se soube ser verdade mas que nunca pude receber nem dar.
Avalon silencia a minha prece!Escuta a minha dor!
De só que estava nas tuas paredes cristalinas, mais só estou no meu mundo de fantasia... 8-9-2004 Treka Trekita (escrito numa tarde que se espraia e num mundo só e triste)"
Sinto-me enlouquecer. Quero dar os parabéns a quem me lixa a cabeça todos os dias pois está a conseguir.
O que me tem valido tem sido o blog...

13 comentários:

Zig disse...

Acho que já tínhamos falado aqui sobre este livro / filme, mas não me recordo bem.

Penso que já chegaste à segunda fase da tua fase “down”, a aceitação. Depois virá a solução, vais ver! Não desesperes, tem calma, e deixa o tipo lixar-te a cabeça, porque quem ri em último, ri melhor!

Olha, neste momento estou a ouvir, em altos gritos, o último álbum dos Scissor Sisters, é absolutamente espectacular! Não o conhecia, excepto as primeiras duas canções que já passaram na rádio etc. Não sei se a tua habitação permite (vizinhança) ouvir música em alto som, hás de tentar!

Post Scriptum:
Tens cada fotografia....

bjs.

Trequita disse...

@zig
Não é um gajo que me chateia a cabeça... antes fosse!
a música em alto é todos os dias ao acordar senão isto não funciona :)
como não bebo café coloco os fones e vou trabalhar não ao som de scisor sisters mas de outros que tais :)

Trequita disse...

@zig
quanto à foto (nem tudo o que parece é!)
lol

Zig disse...

Pronto, se não é o que parece (lol), mas ao menos foi muito bem tirada!

RCataluna disse...

Sei que parece conversa... mas vais ver que tudo correrá bem!! Como diz o Zig : quem ri em último, ri melhor!

Vitor disse...

Olá Treca!!! Tenho uma frase que mgosto muito e que gostava de partilhar contigo neste momento:
-"Para que se possa ver o arco-iris é necessário primeiro chover!"
Beijinho enorme***

O Restaurador disse...

Mas quem é que o "mãe da foca" (deveria ler-se mother focker, espero que tenhas percebido :-p) que te anda a lixar o juízo?!?! É que atamos-lhe lá uma linha! Uma ponta aos tomates e outra a um tubo escape dum camião!!!

Se os problemas da vida não te dão descanso, só tens um remédio!... Faz-lhe cócegas!

Bjs!

Trequita disse...

@vitor
gostei da tua frase... podia chover de vez em quando, não precisava era cair esta trovoada!
Bjokitas

Trequita disse...

@O Restaurador
Já apaguei o comentário...
Não sei quem é o "mãe da foca" (LOL)
mas desconfio que não tem onde se ate a linha...

Anónimo disse...

From childhood's hour I have not been
As others were; I have not seen
As others saw; I could not bring
My passions from a common spring.
From the same source I have not taken
My sorrow; I could not awaken
My heart to joy at the same tone;
And all I loved, I loved alone.
Then- in my childhood, in the dawn
Of a most stormy life- was drawn
From every depth of good and ill
The mystery which binds me still:
From the torrent, or the fountain,
From the red cliff of the mountain,
From the sun that round me rolled
In its autumn tint of gold,
From the lightning in the sky
As it passed me flying by,
From the thunder and the storm,
And the cloud that took the form
(When the rest of Heaven was blue)
Of a demon in my view.
"ALONE" -poe-

a solitaria e dolorosa perspectiva dos bastidores da-nos uma amargurada mas ás vezes deliciosa vista da vida! juro-te, enquanto ca estiver nunca te deixarei cair no palco...

Trequita disse...

@anónimo
muito bonito, o poema... mas sinceramente não me identifico com ele e, pelo que sei da tua vida também não se deve relacionar contigo...
Obrigada de qualquer forma pelo poema.

Anónimo disse...

em relação a todas as dimensões deste poema identifico-me apenas com o sentimento de solidão... Hj em dia este é um dos meus escritores favoritos e este poema uma pérola do seu reportório, não queria deixar de partilhar contigo. abraço l.p.

Trequita disse...

@l.p.
Tens razão quanto à solidão... nesse aspecto sempre fomos solitários (cada um à sua maneira e tu sempre menos que eu!)
Bj

sm

Arquivo do blogue