Encontrei hoje esta notícia no Diário de Notícias (Madeira)


"O plano estratégico para o sector aeroportuário aponta a necessidade de os aeroportos de Faro, Madeira, Açores e Beja reforçarem a sua posição como "aeroportos turísticos", deixando o hub nacional para Lisboa e o Porto como líder do Noroeste Peninsular.De acordo com o documento Orientações Estratégicas para o Sistema Aeroportuário Nacional, apresentado terça-feira no Porto, até 2016, deverão ser realizados 3,6 mil milhões de euros de investimentos nas infra-estruturas aeroportuárias nacionais para garantir a sua qualidade e segurança e a competitividade do país.O grosso do investimento destina-se à construção do novo aeroporto de Lisboa na Ota (3.000 milhões de euros) e à expansão da Portela (312 milhões de euros), destinando-se os restantes 269 milhões de euros às outras infra-estruturas principais - aeroportos do Porto, Faro, Madeira e Ponta Delgada - e complementares (10 insulares e 84 continentais). Para os aeroportos do Porto e de Faro, os autores do estudo apontam a necessidade de desenvolvimento de novas rotas e a sua vocação, no primeiro caso, como aeroporto líder do Noroeste Peninsular (com forte conectividade à Galiza), e, no segundo, como referência do Algarve e do Sudoeste da Andaluzia.A par de Faro, o aeroporto da Madeira é apontado como tendo por principal vocação o turismo, sendo recomendado que, juntamente com a infra-estrutura de Porto Santo, seja aumentada a captação de tráfego, atraindo companhias aéreas e fazendo um maior esforço de promoção, e seja revisto o modelo de gestão.No caso dos Açores, é recomendada a definição de um modelo de rotas apropriado, a captação de tráfego para apoiar o desenvolvimento turístico da região e a definição de um novo modelo de propriedade (no qual conste a titularidade dos activos aeroportuários e a responsabilidade de financiamento) e de um novo modelo de gestão.No caso da base militar de Beja, o documento afirma que em 2008 estarão criadas as condições para se iniciar a exploração comercial, essencial "em função dos empreendimentos turísticos que estão a ser realizados no Alentejo a médio e longo prazo"."Adicionalmente existem outros negócios (aeronáutica, manutenção, escola de treino) que podem complementar a rentabilidade do aeroporto de Beja, mas que dificilmente justificam a sua viabilidade", acrescenta.O estudo refere ainda a necessidade de garantir uma rede de aeródromos e heliportos que cubram funções básicas de protecção civil, emergência médica, trabalho aéreo, aviação desportiva e educacional.Para o aeródromo de Cascais e a base aérea de Sintra, o estudo aponta potencialidades para a aviação executiva, "libertando o aeroporto de Lisboa"."Das 11 bases militares que existem em Portugal apenas três poderão vir a ser necessárias do ponto de vista da aviação civil", acrescenta, referindo a Ota (onde nascerá o novo aeroporto internacional de Lisboa), Beja e Sintra, além de apontar o terminal militar de Figo Maduro como podendo ser considerado no plano de expansão da capacidade do aeroporto da Portela.O documento entende que existem oportunidades de desenvolvimento do mercado, mas adverte para eventuais "reacções em cadeia" que poderão colocar "maior pressão aos aeroportos".Por isso, além das infra-estruturas, defende uma estratégia integrada "para fazer face ao aumento crescente da concorrência aeroportuária" e que desenvolva "serviços multimodais baseados na disponibilização de outras infra-estruturas de transportes".

Será desta que vamos ter aeroporto em Beja? Bastante jeito me fazia se fosse para passageiros!!!

12 comentários:

RCataluna disse...

Oxalá! Oxalá! Não quero ser pessimista, mas só acredito quando a coisa se efectivar. Seria muito importante para o Alentejo!

Zig disse...

Estudos, estudos, estudos. Mais uns quantos milhões gastos, muitos boy's activados, muita tinta gasta. No próximo ano "devido a alterações estructurais" tudo o que foi dito agora já será ultrapassado, não acham?

Trequita disse...

@rcataluna e blog do zig

Era bom que fosse para a frente mas já há tanto tempo que se fala no aeroporto e depois não se vê nada!
É o chamado jogo do empata
bjokitas

Abade.anacleto disse...

Logo para começar só o pessoal que o aeroporto iria empregar seria óptimo. Eu acredito no Aeroporto, mas não nos próximos 3 anos.

Ana Pinheiro disse...

Nunca se sabe, mas tenho as minhas dúvidas, ehehehehehe.
Beijo terno para ti trequinha.

jm disse...

Falem menos e façam mais!
Tô farto de promessas!
Nem me apetece comentar...
Só quero ques as "coisas" aconteçam!

Beijinhos

nikonman disse...

Não existe esse artigo do DN(M) online? O artigo é de opinião? É um estudo? Está assinado? Gostaria de ter mais pormenores, que muito me ajudariam numa próxima reunião.
Obrigado.

Trequita disse...

@nikonman
já não tenho aqui o jornal!
mas já vejo online

Trequita disse...

@nikonman
ok já encontrei
está neste endereço:
http://www.dnoticias.pt/Default.aspx?file_id=dn01010105120706&id_user=

nikonman disse...

Obrigado.
Este estudo vem em muito boa hora, pois há uma tendência governamental para subvalorizar o projecto aeronáutico civil da BA11.

Trequita disse...

@nikonman
De nada,
espero que te seja útil.
:)

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. »

sm

Arquivo do blogue